quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

* dentro *

tela a óleo: noite branca
autor: Kazuo Wakabayashi

quando no leito
coração disparado
mente desperta
verso despudorado

não se aquieta
longínqua memória
badaladas de um velho sino
som retumbante e fino
salta das veias da estória

Úrsula Avner

13 comentários:

  1. Oi Úrsula,

    Bela poesia! quantas vezes não somos despertados por essas sensações.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. A mente, mesmo no leito, pode viajar por várias dimensões.

    Beijo, Úrsula!

    ResponderExcluir
  3. uau...inspiradora essa poesia....muito liinda msmo....
    to seguindo vc....espero sua visita tbm ^^
    www.andrebritooriginal.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Uma beleza, Úrsula!

    Quando vagam os pensamentos, deitada ou não, é a hora que pede a escrita. Muitas vezes despudorada para uns apenas.

    Belíssimo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo mesmo.Parabéns e tudo de bom pra você, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Nestes momentos relembramos um passado.
    quase sempre o cansaço nos leva ao fim.

    ResponderExcluir
  7. Olá amiguinha!
    Gostei da sua postagem...mais uma fonte de cultura que descobri! penso que é a primeira vez que cá venho, vou seguir o seu blogue, gostei. Siga os meus também!

    www.congulolundo.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com
    www.minhaalmaempoemas.blogspot.com
    www.angolaeseusfilhos.blogspot.com
    www.inforvideo.blogspot.com

    Um grande abração e até sempre

    ResponderExcluir
  8. Úrsula, querida,

    O acordar da memória.

    Bjão e lindo fds

    ResponderExcluir
  9. Agradeço de coração cada palavra aqui postada por amigos, amigas e visitantes. Um abraço grande a todos (as).

    ResponderExcluir