quinta-feira, 29 de abril de 2010

* Cativas *



ferem-me a boca

palavras carcomidas

alojadas nos cantos

cortadas pela saliva

quando mordo a língua

lembro-me delas

ora morrem á mingua

ora são ávidas sentinelas


Úrsula Avner

* imagem do google - sem informação de autoria

23 comentários:

  1. Tenho sensações dessas...

    Sua forma de expressar cativa, poetisa.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Gostei do tumulto linguístico...

    Poesia...

    ResponderExcluir
  3. cedo ou tarde, a palavra nova sempre vem... beijo.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito deste caos de palavras molhadas e sedutoras...!

    ResponderExcluir
  5. Bom fim de semana minha querida, bjs

    Existe algo misterioso
    no silêncio de seu olhar
    que talvez nunca revele
    pois, a mente feminina
    é um perigoso enigma
    que em vão, os homens
    pretendem desvendar.
    Mas, para quê conhecer
    esse hermético segredo?
    Se nosso grande objetivo
    sempre por nós perseguido
    é encontrar a felicidade
    realizar nossos desejos.
    Então, não faz sentido
    compreender essa paixão!
    O que interessa é o milagre
    que dá sentido nessa religião.
    Ao matar a sede dos corpos
    em seu ato misericordioso
    vai aos poucos libertando
    seus devotos sequiosos
    de um enorme desprazer
    e, mesmo sem entendê-las
    estamos libertos e felizes
    duma existência triste e vazia
    sem o amor de uma mulher!

    Valter Montani

    ResponderExcluir
  6. Gostei imenso, as palavras podem ser doces ou amargas tanto para quem as pronuncia, como para quem as ouve.
    Tenha um excelente fim de semana
    bjs
    Maria

    ResponderExcluir
  7. deixai as sentinelas em vigília, as palavras são sombras. abraço

    ResponderExcluir
  8. Haverá sempre um tempo para renovação.

    Beijos e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  9. aaah, eu gosto de poemas assim, mas não sei escrever ainda dessa forma :/

    entretanto, pesa a mesma sensação dita de outros jeitos rsrs

    ResponderExcluir
  10. Lindo demais, Úrsula!

    Palavras carcomidas em ávidas sentinelas, ecoarão no brejo em um futuro próximo.

    Parabéns, amiga!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  11. Lindo!

    «Se eu fosse malmequer
    Mal me querias bem
    Me querias porque flor
    Seria em tuas mãos(...)»

    Isabel Montes
    http://isabelmontes-poemas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. o que a gente diz diante de tanta beleza? Ah, prefiro não dizer nada e só deixar que os meus sentidos se deleitem.

    Boa noite, chegou fim de semana!!

    Por isso lhe desejo que vc fique com os seus, e aproveite totalmente estes 2 dias de folga.
    beijos com carinho da rita.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia, amiga! Passei pra conferir seu trabalho, neste novo espaço. Parabéns, tá lindo! Beijos, Milla.Linkei vc lá no meu!

    ResponderExcluir
  14. Querida amiga.

    Hoje a minha visita é para agradecer.
    Nestes dias que celebro a minha vida,
    tenho certeza de que a mesma
    não teria o brilho de hoje,
    se não fossem os amigos e amigas
    que a tornam valiosa
    mesmo que distantes.

    A ti gostaria de dizer obrigado:
    Obrigado pelas visitas ao meu blog.
    Obrigado pelas palavras semeadas.
    Obrigado por sentir os meus textos
    com os olhos do coração.

    Sou eternamente grato a vida,
    por mais estes presentes
    que de modo gentil
    deixas em minha vida,
    fazendo de mim uma pessoa melhor,
    e pleno de felicidade.

    Lindos dias de vida para ti.

    ResponderExcluir
  15. Úrsula,

    as palavras carcomidas e já gastas, esperam nos lábios o momento da sua renovação. Talvez!

    Abraço cara poeta!

    AL

    ResponderExcluir
  16. Lindamente inspirada sua poesia.Parabéns poeta.Arnoldo Pimentel

    ResponderExcluir
  17. Obrigada a cada amigo e amiga que deixaram aqui seu carinho em forma de palavras... Bj a todos !

    ResponderExcluir
  18. Seus poemas primam pela beleza, por dizerem sentimentos nas linhas e entrelinhas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  19. Nossa! Essas que caem agora da minha boca, por sobre o queixo caído...

    ResponderExcluir