domingo, 21 de agosto de 2011

*Escarlate *

imagem : Amanda Cass

pés outrora cimentados
não pisaram jardins abertos
olhos cerrados
não contemplaram
um céu escarlate
agonizando no peito

Quando você chegou
abriu-se manhã ensolarada
pés atirados ao vento
valsam com olhos chapiscantes
escarlate agora é
nossa teia de amor

Úrsula Avner


20 comentários:

  1. Muito lindo seu poema, parabéns poetisa.

    ResponderExcluir
  2. uRSULA,linda poesia em escarlate!Faz tempo que não te visito!Estava com saudade!Bjs,

    ResponderExcluir
  3. Quantos precisam deste teu poema para "des"cimentar os pés...
    Quanta leveza Úrsula, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Escarlate é a tua excelente poética!

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Ursula!

    Sensibilidade pura!

    Bjs

    Luiza
    www.barracodevidro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. A poesia do lado de cá anda fluindo que só vendo...tão lindo!

    ResponderExcluir
  7. Em dia com a vida, em dia com o amor. Lindo, Úrsula. Beijo beijo.

    ResponderExcluir
  8. Quando entra o amor pleno, as cores ganham vida que se transforma num belo poema!

    Lindo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga

    Quando o amor chega,
    nunca vem sozinho.
    Sempre traz consigo
    o melhor de nós,
    que esquecemos muitas vezes
    pelos caminhos.

    Viver é sentir os sonhos
    com o coração.

    ResponderExcluir
  10. Quanta paixão, heim, Úrsula? O amor faz cada coisa...lindo poema1 beijo

    ResponderExcluir
  11. Bom dia, passando para divulgar meu novo blog, minha segunda morada, rss

    http://ensinameasentirteucoracao.blogspot.com

    um cantinho diferente do Palavras ao Vento, mais feito com o mesmo carinho

    te espero lá também.
    Beijoss!! linda e abençoada quarta feira!!

    ResponderExcluir
  12. Lindo Úrsula. Sua poesia exala sentimentos sutis e verdadeiros! Bj

    ResponderExcluir
  13. Úrsula querida


    O escarlate não foi feito para ser aprisionado no peito...



    Lindo é o prisma da paixão!
    Bjão

    ResponderExcluir
  14. Amor é privilégio de maduros estendidos na mais estreita cama, que se torna a mais larga e mais relvosa, roçando, em cada poro, o céu do corpo. É isto, amor: o ganho não previsto,o prêmio subterrâneo e coruscante, leitura de relâmpago cifrado,que, decifra...do, nada mais existevalendo a pena e o preço do terrestre,salvo o minuto de ouro no relógiominúsculo, vibrando no crepúsculo. Amor é o que se aprende no limite,depois de se arquivar toda a ciência herdada, ouvida. Amor começa tarde

    ResponderExcluir
  15. Belíssima poesia, mantendo seu nível alto de criatividade. Gosto muito de suas poesias, do jeito que as escreve.
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  16. Ola Ursula
    Estive fora por uns tempos retornando ao meu espaço e visitando os amigos.
    Que bela poesia de amor!

    Beijo meu

    ResponderExcluir
  17. Quando conseguimos tirar os pés do chão e alçar voo, avistamos novos horizontes, novos caminhos a seguir.E o amor consegue fazer isso.
    Muitolindo Úrsula. Permita-me levá-lo para o nosso Jardim Poético. Bjs

    ResponderExcluir
  18. Amiga querida. Entrei sem bater e deixo-lhe um ramalhete de rosas vermelhas e perfumadas de saudade. Beijos carinhosos

    ResponderExcluir
  19. Há quem chegar...

    e ao chegar

    opera milagres!

    Que os bons ventos continuem a soprar por aí!

    Bjsss

    ResponderExcluir