sexta-feira, 12 de março de 2010

* Canção noturna *

o homem
da rua sem poste
esgueira-se da luz do dia
tatua no corpo
o sol da meia-noite
sombra estirada
sobre a lápide do lume
olhos que veem
mãos que apalpam
sem a clarividência do sol
sem o estrondo do cotidiano
o homem da rua sem poste
há de viver (sem) cem anos


Úrsula Avner


* imagem do google- sem informação de autoria

14 comentários:

  1. Entrei devagarinho e deixei...



    SOL DE INVERNO



    Está sol...
    Sol envergonhado...
    Sol frio...
    Sol de inverno...
    Mas... sol...
    Como a vida...
    Que muitas vezes é...
    Vida fria...
    Vida de inverno...
    Vida... sem vida...
    Mas... Vida...

    LILI LARANJO

    ResponderExcluir
  2. Obrigado amiga pela visita.
    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  3. Adorei as metáforas e o jogo de palavras...

    Um final de semana iluminado, Úrsula!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. A luz serena da noite que alumia
    os passos de quem se esconde no escuro.

    Lindo!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. A minha canção é sempre noturna! Belos Versos! Belas páginas!

    ResponderExcluir
  6. É bom demais ler-te, é sempre um prazer passear por aqui e ler poesias sempre profundas e encantadoras.Parabéns amiga pelo dia da poesia, 14 de março.Se você tiver um tempinho venha conhecer o blog do po-de-poesia,grupo cultural em que faço parte juntamente com o Márcio Rufino.Desde já obrigado.Arnoldo Pimentel

    po-de-poesia.blogspt.com

    ResponderExcluir
  7. Lindo poema noturno, o homem da rua vai viver cem anos e a poesia mais duzentos...gostei da imagem, desse poema noir. Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Nossa... Parabéns, querida.
    Aliás, estou com saudades de você, viu?
    Bjs. no coração.

    ResponderExcluir
  9. Olá amiga! Passando para te desejar um ótimo final de semana e aprender um pouco mais.

    Belo poema. Talvez o homem da rua sem poste viva mais, porque está livre das mazelas dos grandes centros.

    Abraços e fiques com DEUS.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  10. a noite que muito esconde e que tudo se deixa vê, em dualidades de açoes e coisas, a vida que se coloca para nascer!! muito bom Ursula! beijos!

    ResponderExcluir
  11. Minha querida Úrsula,
    Vim agradecer a visita ao meu, ao noso Pó de Poesia. Fiquei muito feliz com o seu comentário e aproveitei para conhecer seu espaço e sua maravilhosa, sensível e
    marcante poesia. Parabéns por ese charmoso cantinho. Gostaria de aproveitar o ensejo e convidar-lhe a visitar meu blog pessoal emaranhadorufiniano.blogspot.com onde vc conhecerá mais poemas de minha autoria. Bjs poéticos e parabéns pelo noso dia amanhã que é o dia da poesia!

    ResponderExcluir
  12. Ursula

    Homem
    Sol
    Lua amor

    Um beijo para ti

    ResponderExcluir
  13. Obrigada a cada amigo (a) que marcou esse espaço com sua presença e gentileza de seu comentário. Um abraço afetuoso a todos.

    Úrsula

    ResponderExcluir
  14. Adoro as madrugada silenciosas, são deveras inspiradoras.
    Belíssimos versos querida amiga

    ResponderExcluir