quinta-feira, 5 de agosto de 2010

* Aborto *






Tela : Heuller Pinson


entre os soluços

da tarde

(a)fetos revirados

fetos do que seria

amor


sobre a mesa

um vaso de flor

um retrato desfigurado

em silente dor

alguma miudeza


no chão

de mármore

rio de incerteza


Úrsula Avner

13 comentários:

  1. OLÁ ÚRSULA,

    CONSIDERO O ABORTO A PIOR DAS CRUELDADES HUMANAS E ABOMINO TER QUE PENSAR QUANTA IRRESPONSABILIDADE SÃO COMETIDAS, EM FREQUENTES ASSASSINATOS CONTRA VIDAS QUE NÃO SE CONCRETIZAM.

    RARO MOMENTO DE COVARDIA E QUE DESNUDA REALMENTE, O CARÁTER INDIGNO DAQUELAS MULHERES QUE O PRATICAM.

    A CONSTITUIÇÃO DO PAÍS PREVÊ DOIS CASOS EM QUE , JUDICIALMENTE O ABORTO SERIA "JUSTIFICÁVEL": ESTUPRO OU RISCO DE MORTE PARA MÃE.

    NO ENTANTO, A REALIDADE BRASILEIRA É CRUEL, NESTA MATANÇA INDISCRIMINADA,POIS MENINAS DE 12,13 ANOS ABORTAM DE FORMA QUE NEM PODERÍAMOS CHAMAR DE ANIMAL, POIS ESTES SÃO MAIS COERENTES COM A VIDA DO QUE UMA PARCELA DEGRADANTE DAS NOSSAS MULHERES.

    ACHO QUE ESTE NEGÓCIO DE DIZER QUE O CORPO É DA MULHER , E POR ISTO ELA FAZ O QUE BEM ENTENDER DELE É UMA IMBECILIDADE, POIS O QUE SE GASTA DE DINHEIRO NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE DO PAÍS PARA CORRIGIR ABORTOS IRRESPONSÁVEIS E FEITOS DA MANEIRA MAIS ESTÚPIDA POSSÍVEL , É UMA FORTUNA.

    ENTÃO É O DINHEIRO DE TODOS NÓS QUE FINANCIA AQUELA BESTIALIDADE.

    UM ABRAÇÃO CARIOCA.

    ResponderExcluir
  2. Muito belo poema.


    no chão
    de mármore
    rio de incerteza

    O frio do coração.


    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Oi Úrsula!

    Realmente, o aborto é um crime contra um ser indefeso. Sempre aconselho a ter a coragem de ter o filho, e matar depois. Pois aí existe a chance de alguém poder defendê-lo.

    Mas sua poesia, não é a favor, ao contrário, ela aborda um tema que é conflitante e o faz de forma bela.

    Parabéns, amiga!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Cada poema seu demonstra uma visão artística. Somente o artista pode ver aquele detalhe. E você descreve muito bem.
    É um prazer ler você.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, forte, com um tom melodioso próprio de sua linda poesia, Úrsula.

    Beijos, querida, e obrigada pela força de sempre, viu? Suas palavras me são muito queridas e importantes.

    ResponderExcluir
  6. um tema tão-tão delicado,
    tratado com tanta destreza e delicadeza...

    parabéns, Úrsula,
    ficou MUITO bom!

    Um bjo,

    Talita
    História da minha alma

    ResponderExcluir
  7. Mineiro você sabe como é, adora reunir amigos para trocar 'dois dedin de prosa' e acaba se estendendo noite afora de tanto assunto! Mas nosso recado hoje é curto.

    Convidamos você para visitar e conhecer um blog coletivo exclusivamente mineiro, o TERTÚLIA PÃO DE QUEIJO, um projeto de descoberta e catalogamento dos escritores mineiros que publicam seus poemas, haiku, contos, crônicas, divagações e causos por esse mundão de blogs afora. A intenção do time é que a tertúlia virtual venha crescer real nas praças de Belo Horizonte também uma hora dessas. Faça-nos uma visita virtual, tem sempre uma boa prosa esperando por você.
    O que nos move é o gosto comum pela escrita, leitura e pelo pão de queijo, é claro.

    Esperamos você lá no Tertúlia. Divulgue, traga os amigos, participe deixando comentários, observações e sugestões.

    Saudações cordiais,

    Tertúlia Pão de Queijo
    http://tertuliapaodequeijo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Úrsula,
    Fico admirada, sempre, com sua destreza poética, que passeia por esse complexo universo humano sem tropeços.
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Só tu, minha flor, a tratar de um tema tão denso, com tamanha delicadeza...
    Aprecio demasiadamente os seus bordados, sempre belos e ritmados.

    Beijos, formosura!

    ResponderExcluir
  10. Há um clima angustiante nesse teu poema, sei lá... Tipo, uma ansiedade... Muito bonito! Parabéns!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Rosas do tempo
    no tempo das rosas sem tempo
    os ponteiros parados
    picam os espinhos do tempo
    e as rosas rubras ou brancas
    sangue ou pureza
    são pingos de chuva
    na terra ardente
    e de novo tudo floresce
    o tempo e as rosas.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 07/08/2010
    etpluribusepitaphius.blogspot.com

    ResponderExcluir