segunda-feira, 22 de novembro de 2010

* (des)vario *

tela: Duy Huynh

no desvario do tempo
vario feito onda
lançada na areia
sua eterna
morada

o dia vira
feito página avulsa
vem a noite ao som da lira
página em branco
aluada

desvairada é a canção
da vida empoçada
presa no silêncio de cactos
em paisagens inertes
entornada

Úrsula Avner

20 comentários:

  1. Um (des)vario sentido ao ritmo do tempo e dos elementos...
    Encantador!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. [no tempo que embala, a onda também pode ser uma asa, um aconchego maior da casa do silêncio]

    um imenso abraço, Úrsula

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. Lindo Úrsula!

    às vezes penso que o dia é como um livro onde se mudam as páginas.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Belo Úrsula!
    Você tem o dom da palavra escrita...

    Bjs linda

    Mila

    PS: Leio e recomendo
    http://rafabernardino.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá Úrsula! O mais bacana é que a cada página virada temos uma página novinha em branco, para começarmos tudo de novo! Seja na inércia dos cactos ou na vibração das laranjeiras, não importa de fato... Pois nós é que plantamos nossos frutos. Poesia inspiradora...
    Bjs poéticos!

    ResponderExcluir
  6. Minha querida

    Um poema lindo.

    no desvario do tempo
    vario feito onda
    lançada na areia
    sua eterna
    morada

    Adorei

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  7. Linhas simples que não expressam uma emoção muito grande. Um abraço

    ResponderExcluir
  8. belo como o silencio do cacto,

    maravilha


    beijo

    ResponderExcluir
  9. Tem selos de presente pra você no meu blog

    ventonaprimavera.blogspot.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Úrsula, minha amiga,

    Vario como onda......... Graças a Deus!
    É o nosso destino, os inquietos voadores.

    Bjão, querida

    ResponderExcluir
  11. Quanta harmonia, amiga, entre a pintura (poesia que se retrata) e a própria poesia (palavras que cantam).
    Bjs no coração.

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga.


    Tão lindas as palavras
    que falam da vida,
    e muitas vezes, mesmo tristes,
    enchem de caminhos
    a nossa alma.

    Alegrias plenas para ti.

    ResponderExcluir
  13. Oi Úrsula,

    Encontrei tua página e adorei as roupas que dá as palavras. Muito belo!!

    Beijos
    Fátima

    ResponderExcluir
  14. Úrsula,
    se´pre me sensibilizo com tua poesia...

    ResponderExcluir
  15. sua lira me envolve dos pés a cabeça.

    beijo, minha flor de formosura!

    ResponderExcluir
  16. Grata a todos os amigos, amigas e visitantes que postaram aqui seu gentil comentário. Afetuoso abraço.

    ResponderExcluir
  17. Ursula, dia em página, cactos silenciosos, vida desvairada e tudo que segue... lindo...

    bjs

    ResponderExcluir