quinta-feira, 18 de novembro de 2010

* ( haja ) luz*

tela a óleo: Lua de outono
autora : Nádia Poltosi

abriu-se a lua
a engolir o dia
a ferir de morte
o que entardecer seria
não há luz
intolerável
há luz
não palpável
esquecida como
conchas na areia
úmidas do vômito do mar
lembradas num canto de sereia

Úrsula Avner

12 comentários:

  1. E... segundo os antigos marinheiros,
    navegantes de ignotos mares,
    as sereias existiam, mesmo!

    Beijoca

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. um quasar e versos no canto das sereias,

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Minha querida

    Um lindo canto feito poema, transmite tanta calma com a bela música, adorei.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  5. Úrsula, voltei para ler teu poema com a atenção que ele merece. Olha, não é um poema leve, a poesia escrita deve ter o peso necessário das palavras. Poema profundo, bem escrito, aspectos lunares e solares em jogo, a lua engole o dia, resta a nostalgia da luz não palpável. Belíssimo poema. Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  6. Úrsula,
    Lindo! Que jogo lúdico de palavras... a noite brincando com o dia.

    Bjão e bom fds

    ResponderExcluir
  7. Úrsula!

    Quanta PAZ passa esse poema! O lirismo salta aos olhos. Haja luz!


    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  8. Seu poema tem um movimento belíssimo, a lua sobrepondo o entardecer e se firmando.

    O óleo sobre tela da Nádia também é fascinante, percebe-se no estilo dela uma leve inspiração em Monet e Van Gogh.

    Bjim

    ResponderExcluir
  9. Um ferir de morte que aqui se faz doce...bjos, querida amiga!!!

    ResponderExcluir
  10. Agradeço o carinho de cada amigo e amiga que aqui deixou seu comentário. Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  11. Querida amiga Úrsula,

    Linda construção,gostei do movimento. Gosto da temática sobre o tempo. Há sempre uma morte em cada passagem. A noite entramos em uma outra dimensão seja de sonhos ou pesadelos, de tormento ou abandono, de entrega ao inconsciente e ao interior de nos e/ao canto das sereias, ainda é quando muitas vezes nossos corpos repousam antes ou depois da entrega a um outro.Na noite há magia, o estranho, a noite encanta e assusta! (Anna Amorim)

    Por ser tão bom vir aqui e admirar tua escrita, bem como teu bom gosto estético na escolha das imagens e configurações do Blog que estou compartilhando com você o Prêmio Dardos que recebi recentemente, primeiro por PALAVRA DE MULHER.
    Basta pegar o selo na minha página e espero que goste desta singela homenagem e demonstração de reconhecimento e carinho.

    Beijos e uma dia pleno de inspirações

    ResponderExcluir
  12. belíssimo movimento!

    teu ritmo é impecável.

    ResponderExcluir