terça-feira, 9 de novembro de 2010

* do que é surreal *

quero do tempo
o instante
nada mais

o ponto
é degrau
para mais
um ponto
e assim
se instaura
um conto

congelo imagens
da espuma removo
a transparência
da bruma, a essência

das minhas viagens
esquartejada memória
goteja estrelas frias
sóis encarcerados
telas ainda vazias

Úrsula Avner


20 comentários:

  1. Ursula, sábio o teu poema, nada melhor do que o instante, e viajar é tão bom, livre das memórias, para gotas de metáforas tão interessantes.

    bj

    ResponderExcluir
  2. Olá Úrsula!
    Um instante pode nos trazer felicidades para uma vida...
    Bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  3. Uau, muito bom o poema, Ursula!
    Vou continuar a ler, e a reler...

    beijo :)

    ResponderExcluir
  4. Querida, Úrsula,
    Mais uma maravilha!

    Buscamos tanto a eternidade, que deixamos passar no tempo os instantes repletos de vida!

    Bjs e boa semana

    ResponderExcluir
  5. saudades de passar por aqui
    sempre surpreendendo com suas poesias ,maravilhosa!
    bjim querida

    ResponderExcluir
  6. essas telas vazias a espera de um pintor, de uma aquarela, ou apenas de um traço qualquer.adoro tuas interioridades...

    ResponderExcluir
  7. protelas o preenchimento, enquanto se vai fazendo,

    belo

    beijo

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. A última estrofe é dilacerante, amei. Poema lindo de doer!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Úrsula, querida, que magnífico está esse poema!

    Amei isso:

    "congelo imagens
    da espuma removo
    a transparência
    da bruma, a essência"

    Perfeição é a palavra que aqui cabe!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  11. Perfeito, Úrsula!

    A integridade e interlocução das palavras formaram esse seu belo poema!

    Beijos, poetisa!

    Mirze

    ResponderExcluir
  12. Tem selos de presente pra você no meu blog, passe lá e pegue, beijos.

    Ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Querida Ursula,
    quanta doçura!
    Seguiremos.
    Esperemos retribuir esse carinho no nosso blog também,
    quem sabe tê-la como seguidora, pois pessoas assim tem alma grande,
    fique em paz,
    Lulu e Sol

    ResponderExcluir
  14. Grata pela visita e pelas palvras gentis...
    Divulgue Costurando-Marias para suas amigas, eu também comercializo todos os meus trabalhos.
    Bela música do seu blog... bom gosto e sensibilidade, parabéns!
    Namastê!

    ResponderExcluir
  15. Amei! De uma sonoridade encantadora é feito o penúltimo verso. Lindíssimo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Meu agradecimento sincero a cada um e cada uma que registrou aqui seu comentário. Um abraço afetuoso.

    ResponderExcluir
  17. A cada badalar do ponteiro o relógio marca o tempo real, como estamos fazendo agora. A ansiedade nos leva a refletir no melhor tempo possível. Queremos viver o melhor momento como se fora o último.
    Realmente o ponto marca o fim de um pensamento, assim sairá outro pensamento e outro ponto.
    Vivi um momento incrível, então congelei aquela imagem que o tempo, (um deus que modela nossas células) insiste que a memória esqueça.
    A memória nos cobra pelos caminhos percorridos. Passamos por eles, mas o tempo os apagou, mas insistem em gotejar em nossos nervos, cujos fios levam a lembrança para o cérebro. Uma emoção nos invade. Então o momento; é o momento para o choro. Limpa a alma! Entretanto a alma não pode ser feita de uma tela vaga.

    ResponderExcluir
  18. Úrsula,

    "...esquartejada memória
    goteja estrelas frias
    sóis encarcerados
    telas ainda vazias."

    Tempo, tempo, tempo...de poetizar.
    Bela construção. SEMPRE bom vir aqui.

    Beijos,

    ResponderExcluir
  19. Olá Machado e Anna,

    Grata pela simpatia da visita e amáveis comentários. Uma abraço aos dois.

    ResponderExcluir