terça-feira, 15 de setembro de 2009

* Incontinência *


lágrimas escorrem

como seiva do caule

gota a gota

salgam o oceano

levam dores e alegrias

no dorso de noites e dias


lágrimas escorrem

feito água de chuva

gota a gota

inundam o solo

fazem curva

cobrem do rio o colo


lágrimas escorrem

enquanto luzes dormem


Úrsula Avner


* imagem retirada do google- sem informação de autoria

* poema com registro de autoria

18 comentários:

  1. Um título muito bem escolhido para esta poesia.
    Todas as lágrimas serão sempre uma descarga de emoções.
    Muito bonito!
    Beijo,
    Judite

    ResponderExcluir
  2. JÁ TIVE MUITAS LÁGRIMAS ESCORRENDO POR MINHAS FACES, AGORA TENHO MAIS O RISO ESTAMPADO NO ROSTO.
    OBRIGADA PELA VISITA. ÓTIMA SEMANA.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Um lindo soluçar! Um poema chorado pela alma, lindo!!!!!!!!!!!!!!!Venha visitar-me, saudades

    ResponderExcluir
  5. Esbelto o seu poema!

    Incrível de transparência, a flor!

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Hum esse seu poema pareceu minha alma falando nestes ultimos dias...


    Ademerosn Novais de Andrade

    ResponderExcluir
  7. Úrsula, seus versos suaves e bem trabalhados, são um estímulo para quem deseja iniciar no universo mágico e profundo das palavras. Um lenitivo para uma alma cansada. Obrigado pela visita e pelas palavras de carinho. Vc sempre muito gentil. Obrigado.

    ResponderExcluir
  8. O caminho das lágrimas, sejam elas de alegria ou tristeza, algumas vezes variam, mas elas são sempre benéficas e aliviam nossas almas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. ÚRSULA,
    obrigao pelo carinho da visita. encontrei teu blog e virei seguir dele.

    o amor não é apena um nome
    que anda por sobre a pele
    um dia falo letra por letra
    no outro calo fome por fome
    é que a pele do teu nome
    consome a flor da minha pele

    artur gomes
    http://goytacity.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Olá Úrsula,
    A Beleza do poema e a delicadeza da imagem realmente é contagiante.
    Um abraço,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  12. que lindo poema! plácido! suave! uma delicia!

    ResponderExcluir
  13. minhas lágrimas também escorrem qdo a luz dorme... prefiro chorar no escuro

    ResponderExcluir
  14. Lágrimas escorrem e compõem um lindo poema, minha amiga!

    Mudando de assunto...

    Há uma surpresa lhe esperando no novidades & velharias, Úrsula:

    http://novidadesevelharias-fernandeshercilia.blogspot.com/2009/09/poesia-mar-aberto-de-ursula-avner.html

    Espero que aprecie...

    Beijos :)
    Hercília.

    ResponderExcluir
  15. Que lindo e com ternura. Lágrimas fazem curva,descem e parecem se alojar de novo no coração.beijos

    ResponderExcluir