domingo, 6 de setembro de 2009

* Silêncio poético *

É no murmúrio da noite
que avança o mistério

no silente quarto fechado
no céu apagado

na mata desvirginada
na dor embutida

borboleta parou
imóvel ficou
como se fosse
proibido dançar

Qual nada ! ( tola borboleta)
na noite quem faz barulho
é quem não sabe voar

Úrsula Avner

* poema com registro de autoria

17 comentários:

  1. Nossa que coisa linda, Úrsula!

    "Na noite, quem faz barulho é quem não sabe voar"!

    O diálogo com a borboleta está maravilhoso e a reflexão na noite!

    Parabéns, Poeta!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  2. Talvez nossos maiores voos sejam mesmo no silêncio... Lindo, Úrsula.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. "Não existe o som se não existe primeiro o silêncio e há momento em que o silêncio diz muitas coisas."

    Gostei muita do teu poema. Visita também o meu blogue "Poemas e Pensamentos" na minha outra conta:

    http://nelsoncruzpoemas.blogspot.com/

    Tem uma boa semana.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  4. Adoraria ter o Dom de ouvir a barulhenta borboleta pelo silêncio...

    Lindo, sempre é vir aqui

    ResponderExcluir
  5. O silêncio dança oculto nas asas dessa borboleta... talvez
    Parabéns pelas palavras
    Chris

    ResponderExcluir
  6. "na noite quem faz barulho
    é quem não sabe voar".

    Belíssimos versos, Úrsula. A imaginação nos leva a tantos universos, cujo silêncio é fundamental para alçar voo.

    Adorei o poema. Parabéns!

    Desculpe-me a ausência, tenho tido dias agitados...

    Um forte abraço, Amiga!
    H.F.

    ResponderExcluir
  7. Úrsula querida,

    Sempre agradeço aos bons momentos que a Poesia me proporciona, e um deles e quando venho aqui e leio poemas como os seus...

    borboleta parou
    imóvel ficou
    como se fosse
    proibido dançar

    Que trecho maravilhoso!!Comovente....

    Um beijo, linda semana!

    Reggina Moon

    ResponderExcluir
  8. Qual nada! (tola borboleta)
    Na noite quem faz barulho
    é quem não sabe voar.

    Meu coração aplaude-te, com tanta força e vigor
    que,silenciosamente, voa a te buscar.
    Quer ouvir, mais uma vez, quer mergulhar-se, outra vez, neste teu tão lindo cantar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Porque, somos demasiadamente complexos e, por conseguinte exigentes.
    À medida que vamos atingindo
    patamares queremos mais e mais,
    logo,o nosso silêncio é um elemento
    indispensável para a busca de mais
    alimentos para a nossa alma!

    Um beijinho amiga querida.

    ResponderExcluir
  10. Muito lindo e sensível, e a música favorece o clima. Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Olá Úrsula!

    Passei por aqui e gostei muito da tua poesia. De hoje em diante seguirei o teu blog.

    Voltarei.

    Beijos
    Aníbal Raposo

    ResponderExcluir
  12. De fato,
    as aves noturnas
    conhecem o labirinto
    das sombras e os buracos
    de luz !!

    ResponderExcluir
  13. Ola minha querida amiga....vindo aqui novamente para me deliciar com tuas lindas palavras....


    Ademerson Novais de Andrade

    ResponderExcluir
  14. Ola Amiga!
    Vim lhe convidar para amanhã dia 10.09, tomar café em meu blog. Curiosa está completando um ano de existência e sua presença é muito importante.
    Te espero lá com muito carinho.
    Seja bem vinda.
    Sandra

    ResponderExcluir