sábado, 24 de outubro de 2009

* Apneia *


pintura : Marta Ferreira


Amei a plenos pulmões

abri o peito á flecha

do cupido

anjo sem juizo

levado ao sabor do desejo

lancei-me feito rojão

no tempo (in)certo do ensejo

explodi a varejo

Ufa !

Faltou- me o ar


Úrsula Avner

19 comentários:

  1. Um poema cheio de leveza e graça. Gostei imenso, Amiga. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Bello escribes tus versos..

    Excelente

    Un abrazo
    Saludos fraternos

    Que tengas un buen fin de semana...

    ResponderExcluir
  3. Apaixonar-se é sofrer apnéia! rs

    Que lindo, Úrsula!

    Um bjo, cara colega.
    Ótimo fim de semana. :)

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Ursula, belas poesias, sempre leio as postadas na semana, obrigado pela visita e comentário no meu blog. Apesar de seguir seu blog a pouco tempo já é um dos meus favoritos.Parabéns pelo talento.Arnoldo Pimentel

    ResponderExcluir
  5. URSULA
    O TEU Poema cheio de beleza.

    O tempo não é nosso.
    Nunca nos prometeu nada.
    Nunca nos deveu nada .´Mas...pôs-se à nossa disposição...temos que o aproveitar...

    Deixo com carinho...

    O TEMPO


    Este é o Tempo...
    Que foge...
    Que escorrega...
    Que voa...
    Que teima...
    Em não estar...
    Mas que nós...
    Teimosamente...
    Agarramos com força...
    E não deixamos fugir...
    Quando ele escapa...
    Voltamos a correr...
    E a segurá-lo com força!...

    LILI LARANJO

    ResponderExcluir
  6. Úrsula

    Apnéia por um booooom motivo!!!!
    E a reanimação vem a reboque, nem precisa de UTI...rsrsrs!
    Ahhh, este Cupido apronta cada uma...

    Delícia de poema, tão gostoso de ler quanto é amar deste jeito!!!

    Bjssss

    ResponderExcluir
  7. Úrsula!

    Um poema rojão, explosão, apnéico, mas de amor!

    ùnico e bonito como todos os seus poemas, os amores assimo serão!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  8. Que não faltem nunca palavras pra ti. Felicidades e abraços.

    ResponderExcluir
  9. Nossa! Quanta sede! Rs.

    Beijos e ótimo domingo.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  10. Ar que sempre nos falta... Tem razão!

    ResponderExcluir
  11. "explodi a varejo" parece dizer que teve emoção constantemente ao longo do tempo. imagem boa.

    =D
    marcos

    ResponderExcluir
  12. Úrsula,
    ufa, tbm me faltou ar ao ler teu belo poema...é uma explosão pura de sentimentos.

    ResponderExcluir
  13. Oi amiga!
    Uma falta de ar, provocada por uma grande emoção!
    Um beijo,
    Judite

    ResponderExcluir
  14. Ursula,

    ficar sem ar por esse motivo... que emoção!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Úrsula, por admirar suas palavras escritas e sua consideração em relação ao meu espaço dedico um selo que está na página principal do meu blog. Obrigada pela retribuição em palavras recheadas de ternura e carinho aos meus textos escritos pelas lembranças das vidas trilhadas.
    Carinho constante... Lúcia Amorim

    ResponderExcluir
  17. Agradeço de coração todas as palavras de carinho aqui deixadas por cada visitante. Bj afetuoso a todos.

    Úrsula

    ResponderExcluir
  18. De tirar o fôlego!
    Sempre um prazer te ler.
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  19. "Amei a pleno pulmões" lindo lirico e apaixonante estes teus versos. Parabéns poetisa e amiga por mais esta jóia de inspiração.

    ResponderExcluir