quarta-feira, 28 de outubro de 2009

* Crisálida *



asas (con)torcidas

dentes presos no abismo

rebuliço no íntimo

partiu com dores de parto

mas partiu

drapeja ébria entre as flores


Úrsula Avner


19 comentários:

  1. Maravilhooooooooooooooooso
    Beijosssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. Dentes presos no abismo
    Que bela metáfora !
    Aplausos

    ResponderExcluir
  3. Belo poema, Úrsula!

    As metáforas,riquíssimas complementam o poema.

    Para mim representou uma surpresa, pois tenho uma amiga com esse nome, e não sabia o significado, ou seja todos acham graça do nome dela e certamente a mãe se inspirou na natureza.

    Muito lindo!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ébria drapejante...

    Isso é bonito!

    Felicidades, Úrsula!

    ResponderExcluir
  7. Olá querida, muito lindo!
    Realmente sua alma de poeta está sempre nos transportando para conhecer essas metáforas que acabam complementando os seus belos poemas.
    Sempre que venho aqui fico leve pois encontro em seus poemas além da delicadeza a inteligência.
    Obrigada querida pala a visita no meu blog.
    O seu comentário é sempre muito importante.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Úrsula,

    eu acho que cachorro tem alma, e vai pro Céu; se não por merecimento do bicho, por merecimento do dono.

    mosca talvez seja criação do demo, mas borboleta é de Deus.

    lindo post!


    eu quero depurar-me no casulo do planeta
    até tornar-me uma linda borboleta
    angelical e fraterna
    para voar ao léu
    ganhando o céu
    da vida eterna


    =D
    marcos

    ResponderExcluir
  9. Olá amiga! Lindo poema, muito profundo, porém, estou meio intrigado com a frase: "drapeja ébria entre as flores". Será que não houve um engano - absolutamente normal - e a frase seria: "traspeja ébria entre as flores"?

    Perdoe-me se estiver enganado.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  10. Silêncio.
    Por que? Porque as palavras, em mim, assusstadas ante a grandeza, fugiram.
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. drapejar as letras assim é uma arte, parabéns pelo blog, vou te favoritar

    ResponderExcluir
  12. Ah, que lindo, Ursula!
    O importante é "partir" pra "ser", não é?
    Bjo, colega psi!
    E muito obrigada por tua visita lá no blog.
    :)

    ResponderExcluir
  13. fazendo festa
    bando de borboletas
    leves e brancas

    na dança breve
    das loucas voadoras
    é tempo de amar

    todas tiveram um dia que partir... beijos, úrsula!

    ResponderExcluir
  14. Tão poucas palavras, que dizem tanto...
    As imagens poéticas são sublimes.
    Enfim, a Úrsula é um caso sério na poesia. Vc escreve maravilhosamente bem, minha querida amiga.
    Bom resto de semana, beijos.

    ResponderExcluir
  15. Muito lindo mesmo.


    A todos os ventos
    eu peço coragem.
    A cada estrela e estrada
    Ao mar que não morre nunca
    eu peço coragem.
    E ao sol e à lua
    E a todo o firmamento.
    A cada pássaro
    A cada pedra
    A cada bicho da terra e do ar
    Peço coragem a tudo o que vive agora
    E ainda viverá
    Coragem para cavalgar os dias
    Navegar nas horas
    E a cada minuto e segundo Sonhar.

    (Roseana Murray)

    Tenha um lindo final de semana com muito amor e carinho.
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Úrsula

    Todo renascimento requer um tempo de transformação e mudança!
    Tempos de crisálida, tempos de borboleta... e assim segue a vida!

    Bela poesia, um sopro de primavera!


    Um final de semana iluminado pra ti,
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Gostei dessa construção inusitada: drapeja ébria entre as flores.

    ResponderExcluir
  18. Agradeço de coração a todos os amigos e amigas que aqui registraram seu carinho em palavras amáveis que tanto me alegraram. Um beijo grande a todos.

    ResponderExcluir