sexta-feira, 20 de novembro de 2009

*(De) lírio *

deitada sobre colchão
de folhas secas
não vi estrelas no céu
tudo tão escuro misterioso
como no interior da traqueia
ou num beijo de língua
que fermenta a espuma nas bocas

só a saliva do desejo é cristalina

de olhos cerrados vi
um vestido cor de prata
talvez fosse rosa chá
pequeno ponto de luz
na negritude

barulho algum
a não ser
a sonoridade seca
das folhas copulando
ao vento

(de)lírio
só soube daquele
bordado no vestido

pela manhã
há de orvalhar poesia
em vestes de seda
depois de romper
o silêncio insondável
da placenta

fórceps ao avesso


Úrsula Avner

* imagem do google

* poesia com registro de autoria

15 comentários:

  1. Lindo poema.

    "Se tiver que amar, ame hoje.
    Se tiver que sorrir, sorria hoje.
    Se tiver que chorar, chore hoje.
    O ontem já se foi e o amanha talvez não venha".

    (André Luiz/Chico Xavier)

    Abraços, um lindo final de semana com muito amor e carinho.

    ResponderExcluir
  2. Lindissíma poesia, parabéns amiga.Além do meu blog ventosnaprimavera agora tenho um novo, onde postarei só poesias românticas, se puder faça uma visita, o link está abaixo.Desde já obrigado.Arnoldo Pimentel

    http://palavrasnosventos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida,

    um poema que fala à alma...

    Beijos e um final de semana de paz!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Úrsula.
    Sim. estou te seguindo como Instantes Poéticos. Cheguei até vc através do Recanto das Letras, gostei! Não quero perder a próxima postagem.
    Obrigada pela visita ao meu blog.

    Abraço,
    Eunice Castilho

    ResponderExcluir
  5. Belo, amiga, como todos os versos teus. Peculiares pela suavidade que impregnam em cada
    palavra, num mover melodioso, cheio de beleza e encanto.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Caros Eduardo e Arnoldo,

    agradeço o carinho da viosita e comentários gentis. Um abraço aos dois ;

    Querida Dalva, é sempre motivo de alegria receber sua visita. Grata pelo carinho ;

    Eunice,

    é um prazer tê-la como seguidora do blog. Agradeço seu interesse e apreço. Grande abraço.

    Querida Lice, sua visita é sempre bem vinda e seu comentário enriquece e me alegra. Bj.

    ResponderExcluir
  7. Que belo poema! "só a saliva do desejo é cristalina".
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Olá Úrsula..
    Seu cantinho é lindo..adoro!!
    Venho sempre aqui...rsr
    Que bom que veio conhecer o meu cantinho..

    Volte sempre!!
    Obrigada pelo seu carinho..

    Te desejo uma excelente semana
    cheinha de coisas boas..

    Beijos da menina...

    ResponderExcluir
  9. Os delírios costumam resultar em belos poemas, Úrsula. Então, deliremos... :)

    beijo!

    ResponderExcluir
  10. Adorei esse poema meio delirante que possibilita tantas imagens. bijo.

    ResponderExcluir
  11. Ùrsula Amada!

    Que delícia ler este teu poema
    (De)lírios...
    de rosas...
    de margaridas...
    de todas as flores...
    que te brotam da Alma!



    Lindo demais,
    Tava saudade de vir aqui e ouvir esta paz que toca e que escreve e, particularmente hoje, sentir o perfume que as tuas palavras exalaram!

    Bjão carinhoso pra ti!
    Wania

    ResponderExcluir
  12. Querida Graça,
    obrigada pelo comentário tão amável. Bj,

    Menina doce, seja sempre bem vinda ao Sempre Poesia. Alegro-me que goste do espaço. Obrigada pelo carinho. Bj ;

    Nydia, obrigada pela atenção de sempre. Bj ;

    Marcos, na verdade o poema tem um teor transcendental, onírico, relativo a sonhos e devaneios. Obrigada pela visita e um abraço ;

    Adriana, obrigada pelo comentário tão gentil, bj ;

    Wania, você é sempre adorável em seus ricos comentários. Bj com carinho.

    ResponderExcluir
  13. Vc é uma poetisa "de mão cheia".

    Gostei muito dos seus poemas.

    Beijos.

    ResponderExcluir