quarta-feira, 11 de novembro de 2009

* dobradinha poética *


* Luzes

aglomeram-se


feito vaga-lumes


a cidade dorme


porém elas ...


são sentinelas


espiam segredos


por entre os cumes



* Silêncio


palavra veio


pousou de mansinho


não quis repousar


seguiu caminho


virou borboleta


em outro lugar



Úrsula Avner


*imagem do Google


16 comentários:

  1. Olá Ursula,

    Eu vi os seus interesses musicais e achei que você poderia estar interessado no meu blog para hoje e de ontem (quarta-feira e terça-feira). Eu revi e entrevistou Nova Era músico Sebastian Sidi. Seu site é informações sobre o blog e tenho certeza que ele gostaria de ouvir de você. Ele não fala espanhol. Há também links onde você pode ir para ouvir sua música.
    Por favor, verifique o meu blog.

    http://tossingitout.blogspot.com/

    Obrigado
    Lee

    Estou traduzindo esta via Google Translator

    ResponderExcluir
  2. As luzes e as borboletas... Bom mesmo é saber que elas sempre voltam. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. As luzes pequeninos faróis, são o consolo quando viajamos em noite escura...sinal de que há vida lá, em algum lugar!
    beijos

    ResponderExcluir
  4. as luzes (sentinelas) acabaram tirando folga nesta semana!

    ResponderExcluir
  5. Úrsula,

    Ponderou a luz urbana com a borboleta "fugere urbem" com a elegância habitual. A borboleta não seria o poema, seria o quê?


    pax et bonum
    Marcos

    ResponderExcluir
  6. Úrsula.
    Que delícia esses poemas. Amei!
    Beijos
    Paola

    ResponderExcluir
  7. lindos e suaves poemas,as luzes, o silêncio e a transformação...belo, mui belo. beijo.

    ResponderExcluir
  8. Espiãs e luzes.

    Noites e borboletas!

    Algo me lembra alguém!

    Mas são índos e em uníssono os dois poemas!

    Parabéns, amiga!

    Beijos

    Mirse

    ResponderExcluir
  9. Quantas de nossas palavras já não viraram borboletas em outros bosques e pradarias!? Amei.
    esmaques pra ti!

    ResponderExcluir
  10. LUZES E SILÊNCIO, lindas poesias, parabéns Ursula.

    ResponderExcluir
  11. Olá Ursula,
    Parabens por ser iluminada e nos encantar com as luzes de seus versos.
    Meu carinho,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  12. Quantas borboletas por aí
    não são palavras transformadas?!

    Adorei tua "pequena" análise sobre o silêncio, Úrsula.

    Um bjo grande. :)

    ResponderExcluir
  13. Hoje passando para ler este lindo poema e desejar um lindíssimo final de semana.

    Pensamos demasiadamente
    Sentimos muito pouco
    Necessitamos mais de humildade
    Que de máquinas.
    Mais de bondade e ternura
    Que de inteligência.
    Sem isso,
    A vida se tornará violenta e
    Tudo se perderá.
    (Charles Chaplin)

    Abraços com todo amor e carinho

    ResponderExcluir
  14. Agradeço a todos os amigos e amigas que me visitaram e aqui deixaram o carinho de seu comentário. Grande abraço a todos.

    ResponderExcluir
  15. Úrsula, não tenho como descrever a sensação maravilhosa que sinto quando visito este seu belíssimo recanto poético.
    Adoro viajar por aqui.
    Bjsss

    ResponderExcluir