quinta-feira, 26 de novembro de 2009

* Na hora zero *

Na hora zero
não me fustigará
o sol do meio dia

não se inclinará
meu corpo
ao cansaço das horas

não verei
os vincos da dor
ou os espinhos da injustiça

não terei por companhia
sombras encarceradas

não ouvirei ruflar
algum tambor

a guerra é uma sucessão de erros
não sabe do contorcionismo da ostra

quando germina a pérola

na hora zero
nenhum movimento
somente o eco cavernoso
do insolvente silêncio

Úrsula Avner

* poema com registro de autoria
* imagem do Google

24 comentários:

  1. Úrsula

    Fiquei muda, diante da beleza deste teu poema. Que coisa... Há uma hora em que tudo é só silêncio.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nydia, obrigada por suas palavras tão amáveis. Fico feliz que tenha apreciado o poema. Bj grande.

    ResponderExcluir
  3. Úrsula

    Tem horas que o silêncio fala mais alto!

    Que lindo e intenso este teu poema!


    Bjão

    ResponderExcluir
  4. Olá Úrsula! Nem sei o que dizer, diante do seu poema. Suspirei... e minha alma ficou em festa.Lindo!!! Muito lindo!!!
    Um beijo e meus cumprimentos!!!

    ResponderExcluir
  5. Faz-me muito bem, ler-te. suas palavras brindam com seriedade os sentimentos. é sempre um enorme prazer por aqui passar.

    beijocas, e fim de semana de paz pra voce.

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo e intenso poema. Na hora zero, o silêncio ...uma boa reflexão, Úrsula. beijo.

    ResponderExcluir
  7. Ah...que coisa boa a hora zero...somente o silêncio, sem mais nada.
    esmaques querida, esse poema sensibilizou-me e muito, ainda mais com essa musiquinha de fundo...Belíssimo!

    ResponderExcluir
  8. Es un lindo sentimiento el que nace cuando entro a tu blog..

    Precioso..
    Un beso.

    Saludos fraternos de siempre..
    con el abrazo inmenso..

    Que tengas un buen fin de semana.. Suerte en todo..

    ResponderExcluir
  9. Oi Wania,

    é sempre um prazer receber sua visita e gentileza nos comentários. Bj grande.

    Lau,

    você é sempre adorável e me comove com a expressão carinhosa de seus sentimentos. Bj grande.

    ResponderExcluir
  10. Gleidston,

    suas palavras são alento ao meu coração e incentivo ainda maior na escrita. Ótimo fds.

    Oi Adriana,

    é sempre muito bom receber sua amável visita e gentil comentário. Bj grande ;

    Marisete,

    fico feliz que tenha se sensibilizado com o poema. A hora zero é a hora onde tudo é só paz e felicidade... o paraíso que ficou internalizado em nós. Bj.

    Adolfo,

    es siempre mui precioso cuando hablas en mi blog... Gracias. Un beso.

    ResponderExcluir
  11. Na hora certa, não é preciso alvoroço, basta a calma.

    Lindo, Úrsula!

    Fiquei feliz com sua visita ao meu blog, obrigada! =)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Uma hora certa de paz de espirito!
    Um beijo,
    Judite

    ResponderExcluir
  13. Úrsula,
    " somente o eco cavernoso
    do insolvente silêncio"...deu no coração uma pergunta sem resposta...hora zero.
    abraços

    ResponderExcluir
  14. "Não sabe do contorcionismo d aostra quando germina a pérola...ah q metáfora e imagem linda ÙRsula...um dos melhores q li por aqui...realmente me pegou esse.

    ResponderExcluir
  15. Belíssimo! Arrebatador, o teu poema evoca pensar que, se no silêncio há sons, que sons teriam o nada que tudo contém? O que me impressionou neste teu poema foi a incorporação do nada em zero e silêncio e paz.

    Lindo!
    Beijos e grata pela visita.

    ResponderExcluir
  16. A hora de todos os silêncios...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Úrsula,




    Com um ideário bastante claro (e consistente), vc encontrou um ponto equidistante entre o tempo e o tempo.




    Belo texto!







    Beijos,








    Marcelo.

    ResponderExcluir
  18. Belíssimo e verdadeiro Poema... A hora Zero contém em si o infinito da verdade! Aplausos Úrsula!

    ResponderExcluir
  19. Difícil é acertar os ponteiros com ela,... reconhecê-la.

    Belo poema, Úrsula! Obriga-nos a olhar para dentro... Refletir.

    Bjs e inté!

    PS: Obrigada por sua visita e comentário.

    ResponderExcluir
  20. Belíssimo, Úrsula. Gostei abundantemente.
    Creio que tenha alcançado o grau zero para composição de tão bela escrita.

    Grande poema, parabéns!

    Beijos :)
    H.F.

    ResponderExcluir
  21. Salve !
    Navegando pela grande rede sem rumo com a intenção de divulgar o meu blog cheguei até você e gostei do que vi. No momento estou impedida de fazer leituras muito extensas, pois a claridade da telinha está prejudicando um pouco a minha visão, devo tomar um pouco mais de cuidado, mas em breve resolverei esse problema. Bem, já que estou aqui aproveito para convidar a conhecer
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em
    http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Eu como professora e pesquisadora acredito num mundo melhor através do exercício da leitura, da reflexão e enquanto eu existir, vou lutar para que os meus ideiais não se percam. Pois o maior bem que podemos deixar para os nossos filhos é o afeto e uma boa educação. Isso faz com que ela acredite na própria capacidade, seja feliz e tenha um preparo melhor para lidar com as dificuldades da vida. Com amor, toda criança será confiante e segura como um rei, não se violentará para agradar os outros e será afinada com o próprio eixo. E se transformará num adulto bem resolvido, porque a lembrança da infância terá deixado nela a dimensão da importância que ela tem.
    VAMOS TODOS JUNTOS PELA EDUCAÇÃO, NA LUTA POR UM MUNDO MELHOR !
    Se achar a minha proposta coerente, siga-me nessa luta por um mundo melhor. Peço que ao responder deixar sempre o link do blog, pois vez por outra o comentário entra com o link desabilitado ou como anônimo. Por causa disso fico sem ter como responder as pessoas.Os meus comentários também entram via e-mail, pois nem sempre a minha conexão me permite abrir as páginas: moro dentro de um pedacinho da Mata Atlântica, creio que mais alto que as antenas, com isso a minha dificuldade de sinal do 3G. Espero queentenda quando não puder visitá-lo.
    Daqui onde estou, os únicos sons que escuto aqui é o dos pássaros, grilos, micos., caipora, saci pererê, a pisadeira, matintapereira ... e outras personagens que vivem pela mata.
    Por hoje fico por aqui, já escrevi demais. Espero nos tornarmos bons amigos.
    Que a PAZ e o BEM te acompanhem sempre.
    Saudações Florestais !
    Silvana Nunes.'.

    ResponderExcluir
  22. Palavras sentidas, profundas, que nos tocam no intimo.
    Lindo lindo tudo aquilo que vi passarei a vir aqui beber destas palavras maravilhosas.
    Um abraço

    António

    ResponderExcluir
  23. Porque será que os pássaros
    Cantam na partida do dia
    Porque será que um amante ausente
    Fica de alma apertada, vazia?

    Porque será que as ondas lamentam
    Em sussuros de sal no areal
    Porque será que as rezas são feitas
    Para correr para o longe o perverso mal?


    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  24. Lara, Judite, Lúcia, Mai, Karnal, Graça, Marcelo, Gaivota, Ju, Hercília , Silvana , Antonio e Profeta,

    Gostaria de poder agradecer a cada um individualmente pelo carinho da visita e das palavras aqui registradas, mas infelizmente ainda não alcancei a hora zero e estou na correria de fim de ano. Mas deixo aqui o meu agradecimento sincero e um abraço afetuoso a cada um de vocês que já fazem parte do meu universo poético. Bj.

    ResponderExcluir